As dez mais antigas e ainda hoje praticadas Religiões no Mundo
Sábado, 19 de Maio de 2007
Introdução
Quase tão antigos como o próprio Homem são os cultos religiosos. Surgidos aquando do desenvolvimento cognitivo do Homem acompanharam desde sempre a sua evolução, na busca de alguem ou alguma coisa que pudesse explicar os mistérios do Mundo.
No trovão e nos ecos dos seus próprios gritos o acreditaram ouvir as vozes dos deuses; no delírio e na fúria incontrolada daqueles que eram acometidos de epilepsia e distúrbios mentais pensaram estar diante de poderes demoníacos; na caça abundante, na chuva fecunda e na generosidade da natureza acreditou estar perante as bênçãos dos céus, os nossos primitivos antepassados descobriram então Deus e tornaram-se religiosos, a partir desta veneração e como forma de afirmação social de poder num grupo surgiram as primeiras divisões sociais com o topo do poder a pertencer aos membros do grupo “especializados” no contacto com o divino, com os deuses da natureza, surgia então o Paganismo.
Mais tarde e à medida que as sociedades dos grandes rios (Nilo, Eufrates, Tigre e Amarelo) iam evoluindo, entre o 4º e 2º milénio, a.C. foram-se desenvolvendo novos sistemas de crenças religiosas que foram evoluindo até formarem os primeiros códigos religiosos, verdadeiros códigos de vida, e que muitas das vezes eram a base política, social e económica de vastos impérios, já que explicavam em função do politeísmo e da adoração de ídolos com características humanas animais e detentores de poderes extraordinários, os vários acontecimentos registados, o significado da vida humana e a justificação do poder do soberano. São exemplos destas situações o Império egípcio, o Persa e as Civilizações Mesopotâmicas (cuja a religião zoroastra apresentaremos neste trabalho) entre outros.
 Por volta de 1800 a.C. surgia uma nova “ordem” religiosa primeiros na pessoa de Abraão, em que se defendia o monoteísmo entre outras “novidades”, a este profeta atribuem-se a fundação das três principais religiões monoteístas (o Judaísmo, o Cristianismo e posteriormente o Islamismo); e paralelamente no outro extremo do Mundo surgiam também segundo os contextos de vida das populações outras doutrinas religiosas, que detiveram e ainda detêm muita influência na Ásia a nível político e social, referimo-nos à formação do Budismo, do Hinduísmo do Confucionismo e do Taoísmo.
É no âmbito destes cultos que iremos desenvolver o tema do trabalho “As 10 mais antigas e ainda hoje praticadas religiões no Mundo”.  


Publicado por areligiao às 18:43
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

O Islão visto por dentro
O Islão visto por dentro
 
Encontramo-nos no centro Islâmico localizado na Rua do Heroísmo no Porto com o Sheik Amad, o mais alto responsável religioso pelo centro. O Sheik Amad vai ajudar-nos a perceber características únicas desta fé assim como alguns dos problemas com os quais se debateu, debate e debaterá esta religião no nosso país e no Mundo.
 
1-    O período de tempo em que o território, hoje tido como Portugal, esteve sobre domínio Árabe e consequentemente sobre influencia da religião islâmica deixou inúmeras marcas civilizacionais no país, no entanto, para a maioria dos portugueses esta fé esta envolta num cocktail de lendas e mistérios que apenas foi desmistificado com sensibilização das massas através da ficção televisiva que revelou pontos de contacto entre a fé cristão e muçulmana. Que aspectos comuns e diferentes salienta entre as duas religiões reportadas?
  A religião islâmica segue a mesma linha da crista e o Islão conviveu com os cristãos. Todas as religiões são respeitadas pelos profetas e praticam o monoteísmo, a adoração um só deus, não adoram anjos e profetas somente o Deus. O livro sagrado deles tem semelhanças com o Corão.
mas a religião judaica e crista modificaram muito as raízes iniciais da crença ao contrário do Islamismo que se mantêm igual desde a sua criação pois os seus preceitos religiosos não foram alterados nem por reis nem responsáveis religiosos para responderem aos seus interesses pessoais. 
 

2-    Embora estando num país maioritariamente católico e num continente predominantemente cristão, como se tem difundido a fé islâmica ate finais do século XX?

O islamismo é uma religião de tolerância e paz, não queremos guerras nem lutas. O primeiro inimigo é a tolerância, uma pessoa que não estuda, e não têm conhecimento, não pode entrar como outra pessoa. O segundo é a doença faz com que o homem não exista. O terceiro é a pobreza – a riqueza no mundo não está muito bem distribuída. E o Islão obrigou aos povos ricos a partilhar a sua riqueza, como sendo, a ajuda humanitária, isto acaba quando os roubos e crimes acabarem, até os criminais poderiam usufruir dessa riqueza caso esta fosse bem distribuída. A religião tem desenvolvido de forma? As regras do Islão vêm para nos libertar da escravatura dos homens. A escravatura de Deus é para ajudar a Humanidade, o homem e para viver a custa dos outros pessoas. Uma pessoa defeituosa e bem vinda por Deus. O padre casa mas o cristão não, a pessoa tem direito de usufruir desses bens.

 
3-    Como caracteriza a comunidade islâmica portuguesa e a sua disposição de fiéis e centros religiosos?

A maioria dos muçulmanos estão a viver na nossa capital Lisboa e já há alguns no Porto, a maioria são emigrantes que vieram de africa.

 
4-    Ao longo dos séculos as religiões mais significativas foram-se envolvendo em disputas mais ou menos acesas por motivos essencialmente territoriais. No caso da religião muçulmana esta envolveu-se em conflitos em larga escala sobretudo com o cristianismo e que se iniciaram com as invasões Muçulmanas, passando pelas cruzadas e culminando recentemente em lutas pelo domínio de diversos países. Sendo um dos mais altos representantes da religião da religião como vê todos esses conflitos?
O Islão disse que não devia haver guerras e conflitos. Essas guerras cruzadas e outros confeitos de á séculos atrás não deviam ter acontecido, mas aconteceram devido á ignorância que se fazia sentir. Agora os conflitos são por outras causas, normalmente onde há petróleo há guerra, mesmo assim a causa principal é sempre a mesma, os interesses, que são a maior causa das guerras. 
 
 
5-      Embora conhecemos os atritos entre sunitas e xiitas não nos é perceptível o porquê desses conflitos. Como explica esta situação?
É verídico está situação. Isto antes não acontecia mas agora acontece porque entrou um intruso (a politica dos EUA). Não havia lutas até que o país foi invadido. Uns apoiavam a família de Maomé e exageravam, outros dizem que consagrar a família, mas de uma forma simples.
Profeta quando apareceu acabou coma guerra dos 100 anos.
 
6-    Inevitavelmente a fé islâmica ficou associada aos atentados do 11 de Setembro de 2000. Como reagiu à criação de um estereótipo muçulmano?

  O 11 de Setembro foi actos exacerbados? Que motivos será esse que levou aquele povo a cometer esse acto? Foi um crime grave condenado pelas pessoas, sim sonhar, mas será nós pertencentes ao Islão que estão aqui no Porto deve ser generalizados como criminosos apenas pela nossa religião ou devemos apenas ser apontados como criminosos quando cometemos realmente crime? Claro que é injusto. O Islão diz que as pessoas que praticam os actos é que são responsáveis põe estas e não os outros.

  Todos os países muçulmanos condenam os ataques e contentaram o erro de apoiar a invasão americana ao Afeganistão porque sem esse apoio os americanos não podiam entrar no país.
No Iraque também foi igual alguns países muçulmanos ajudarem os EUA contra Saddam.
  O 11 de Setembro é confuso as pessoas que o fizeram aos muçulmanos e não existem Muçulmanos não praticantes pois se não praticarem não são muçulmanos. O 11 de Setembro ou melhor o que lhe deu origem inicialmente é tão confuso que a maioria das pessoas não sabem que está tudo baralhado. Os EUA criaram muitos conflitos e foram eles pelas suas acções que deram origem aos conflitos. Os país tão poderosos tão bélicos, com tanta tecnologia onde está a defesa dos americanos? Voltando atrás e sendo um exemplo um cristão português assassina cidadãos de Inglaterra. Não vai começar uma guerra por isso e certo condenar-se o culpado a acaba ai porque a culpa é desse cidadão e vão dos outros.
Ah e quem era Bil Laden um herói americano na guerra contra os russos, foram os americanos que o treinaram e às suas forças e lhe deram dinheiro, os americanos usaram-nos para “sujar” ou melhor entrar no Islão e depois abandonaram-nos porque os americanos não têm amigos é só têm interesses, Saddam também foi apoiado pelos EUA. Não a favor ou contra o povo americano mas sim das políticas dos seus governos que querem a tudo o custo governar o mundo. Não estava na história e podemos ver no caso do Hitler isso foi possível.
  E no fim estão a ganhar tanto no Iraque como no Afeganistão? Não cada vez se vê mais e mais soldados americanos se os EUA querem controlo que façam alianças e não guerras sim porque os povos do Iraque não têm petróleo da mesma forma que os EUA.
         
 
7-    A questão da Jihad e das quarenta virgens é um mito ou uma recompensa verdadeira?
  Jihad quer dizer guerra santa ou origem da terra mas hoje sabe-se para definir autodefesa, usam-na para defender o povo, a sua liberdade e as suas riquezas das pessoas perversas. A história das 40 virgens é mentira é apenas usada para dar ainda mais incentivo aos combatentes do povo, organiza-los, mas sim dar-lhes mais coragem, assim as pessoas tão a vontade para entrar nas acções de guerra.
Se estavam nas vossas casas estavam os vossos pais, irmãos roubaram tudo como que vocês ficam de braços cruzados? Claro que não! E isso é que quer dizer Jihad esforço de luta pela dignidade, respeito, defesa da personalidade própria, não é guerra, guerra, é através do que dispomos desse dinheiro, à nossa força ao nosso próprio corpo tentamos defender o que nos é querido.
  Se os espanhóis entrassem em Portugal e matassem e destruísse          tudo aos portugueses estes tentariam travá-los e isso são verdadeiros portugueses e os seus generais tentariam dar-lhe força para combater com tudo e toda a força que tiverem e da fama que puderem ao escrever jornais, ao pintar as paredes contra o inimigo ao dar dinheiro para a causa de tudo isto é a Jihad “guerra santa”, hoje, guerra de defesa e que é legal porque ao destruírem o que é nosso é justo que nos defendamos.
  O mito das 40 mulheres serem apenas para encorajar aliás para que uma chega perfeitamente.
        
8-      Como encara o conflito israelo-palestiniano?
  Uma pessoa que ocupa uma terra que pertence a outro povo devia abandonar essa terra. Porém a terra não é deles eles ocuparam e porquê que esta guerra continua? Porque a força que está a apoiar os americanos que os ajuda a manter a mentira de que a terra é deles mas a mentira não dura muito ate temos o caso do Iraque em que foi pensado que havia armas nucleares mas não haviam tal como Saddam afirmava e por isso os americanos perderam muito respeito para os seus antigos aliados porque se verificou que o Iraque foi invadido pelo petróleo, aliás a Coreia que desafia o mundo constantemente não é invadido porque não possui petróleo.
  Voltando a pergunta e ao mais actual, os conflitos intensificaram-se desde as eleições ganhas por Hammas, Israel e os EUA querem impor as democracias mas não aceitam a vitoria do partido.


Publicado por areligiao às 18:38
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

O judaísmo em foco
 
            Encontramo-nos na sinagoga na Rua Guerra Junqueira no Porto com o relações públicas da referida sinagoga, que vai ajudar-nos a perceber características únicas desta fé assim como alguns dos problemas com os quais se debateu, debate e debaterá esta religião no nosso país e no mundo.
 
1-       Quando alguém procura esta instituição para se converter ao Judaísmo quais os principais dogmas religiosos a que passará a estar obrigado?
Em primeiro lugar, nós não temos dogmas. E além disso, ninguém se pode converter ao judaísmo, este acto apenas pode ser realizado através do casamento ou quando se é filho de pais judeus (no casamento, a mulher ou o homem têm que aceitar converter-se ao judaísmo).
            No caso do retorno, a pessoa submete-se a um julgamento, no qual três rabinos decidem a aprovação ou não aprovação do retorno ao judaísmo.
            O judaísmo, para além de uma religião, é uma forma especial de viver, é muito complexo ser judeu. Por exemplo, não podemos comer uma comida qualquer, apenas comida casher (comida que é verificada por um rabino).
 
  2. Como caracteriza a comunidade judaica portuguesa e a sua disposição de fiéis e centros religiosos?

            Em Portugal existe muita gente de origem judaica, podemos até dizer que 90% da população tem sangue judeu.

            Temos muitos sinais que nos mostram a existência judaica em Portugal. Descobrimos com facilidade se uma certa casa pertenceu ou não a famílias da religião, por objectos característicos, como por exemplo, objectos das famílias, sinais nas paredes, portas com pergaminhos, mesusas coma torá dentro.
 
3. Ao longo da história, os judeus foram alvo de várias perseguições que se alastraram até ao final do último século. Como vê todos esses acontecimentos difamatórios para a fé judaica?

     Muito maus. Há cientistas que dizem que o atraso de Portugal deveu-se à expulsão dos judeus, as pessoas de grande sabedoria, como os

médicos, no século XV eram judeus.
  A inquisição foi pior que o nazismo, enquanto que este durou apenas quatro ou cinco anos, a inquisição alargou-se durante muitas épocas.   Todos os anos, perdoamos a quem nos fez mal, contudo não esquecemos.
     Ao que vocês chamam Cristo, não foi perseguido por ser quem era, foi morto porque era considerado sobredotado, falava muito bem e as pessoas gostavam de o ouvir. Devido a isto, Pôncio Pilatos, decide condená-lo à crucificação (razão pelo qual, nós, não gostamos de cruzes).  
  Todos os que eram condenados à crucificação, eram obrigados a arrastar a sua própria cruz até ao monte das Olivas (local inóspito no qual existia o um microclima). Depois de ser colocado na cruz, o crucificado era praticamente despido, com a excepção da parte sexual.  Devido ao microclima apanhavam pneumonias e, a existência de aves de rapina, que comiam a carne humana, impedia que se aguentassem mais de um dia.
 
4. Apesar de todas as divergências existentes entre os judeus e cristãos, como se tem desenvolvido o judaísmo em Portugal, e como reage a população?
            A nossa convivência com as outras religiões é pacífica, nunca nos metemos nem opusemos as outras religiões.
            Antes pelo contrário, eles é que nos enfrentavam e caluniavam, diziam que urinávamos nas igrejas e que maltratávamos os santos, mas isso é mentira.
            Não temos tido sorte com todas, pois nem todas se querem dar bem connosco, como por exemplo, os árabes.
 
5. Como vê a actual situação dos judeus espalhados pelo mundo?
            O povo judeu não é perseguido por ninguém.
Temos até muitas fábricas e empresas em todo o mundo. Por exemplo, a maior fábrica de aço dos EUA, a General Motors, a Opel, entre outras, são de origem judaica. O facto de termos indústrias em todo o mundo, são motivo de alegria e progresso.
      Outro dos exemplos é o desenvolvimento do nosso país. Como todos sabem, em Israel existe um grande problema de falta de água. Contudo, desenvolvemos um sistema de rega capaz de solucionar o problema. Os resultados foram muito positivos, pois conseguimos que os nossos frutos fossem os melhores.
 
 6. O conflito entre os estados de Israel e o Palestiniano continua a ser dos mais violentos e de final pacífico mais improvável num futuro próximo. Qual pensa ser a solução definitiva para o conflito e para finalmente fazer reinar a paz na cidade santa para cristãos, judeus e muçulmanos?
        Quando eles dizem que nós ocupamos o território deles é mentira, pelo contrário, eles é que ocuparam o nosso. Foi a técnica judaica que fez evoluir o Egipto, como na construção das pirâmides, na colocação da considerada a maior pedra do mundo (50mil toneladas), no muro das lamentações. O povo judeu sempre foi muito pobre, viviam no deserto e, para se alimentarem, assaltavam as rotas que por ali passavam ou conviviam com eles.
            Nós gostávamos de nos dar bem com essa gente. E, a solução definitiva, seria eles deixarem de ser terroristas. Em vez disso, podiam ser mais humildes, mas eles é que perdem. Eles vivem muito mal, pois em Israel ninguém dá trabalho a palestinianos, embora eles também não gostem muito de trabalhar. Nós, apesar de tudo, tratamos as crianças e mulheres grávidas israelitas, mas eles não merecem o que nós lhes fazemos.
 
 7. O estereótipo de um judeu descreve-o com barba longa, vestes escuras e um grande chapéu. Alguma razão para estas características ?
            Todo o homem, desde que se levanta até que se deita, deverá ter a cabeça tapada tipa – apenas quando andamos na rua, para evitar conflitos, usamos um chapéu, pois na localidade onde nos encontramos a comunidade é muito pequena; a barba longa, é por uma questão de tradição não a cortar; as vestes escuras, é por respeito a Deus; existem também as trancinhas ao pé das orelhas, embora aqui não se veja muito, o local onde esta característica é mais usada, é em Nova York.
 
8. Desde o nascimento da ciência que esta e a religião são vistas como incompatíveis. Qual a sua perspectiva sobre este assunto?
    Deus existe, e nós temos provas. Ele é incorpóreo, logo não temos imagens. Mas que Deus existe, existe!   
   Algumas das provas da sua existência, aconteceram no Egipto. Os judeus eram escravos de um faraó que foi muito mau para com este povo. O povo judeu, descontente, lançou várias pragas sobre o Egipto, pediram a Deus que uma grande catástrofe acontecesse naquele local. As pragas de gafanhotos e de piolhos que se seguiram, de certeza, que não aconteceram por mero acaso. Claro que poderiam ter acontecido por forma natural, mas então porque é que só aconteceram lá? Isto significa alguma coisa, que não aconteceu por acaso, pois nada acontece por acaso.
  Nós baseamo-nos na teoria de Darwin. A sua teoria insere, essencialmente nas ideias de que nada acontece por acaso. Quando um povo se encontra em dificuldades, é normal que faça pedidos a Deus, mas se estes forem feitos com seriedade, concretizam-se. Isto é também uma teoria judaica.
 
 


Publicado por areligiao às 18:32
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

A Religião e o Homem
Pesquisar neste blog
 
Maio 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
16
17
18

20
21
22
24
25
26

27
28
29
30
31


contador de visitas
Contador Web
blogs SAPO
subscrever feeds